Carrapateira » Vila do Bispo

Trilho dos Pescadores

16 Km

Quando este percurso chega à costa, e na confluência com o caminho que leva ao Porto de Pesca do Forno, vale a pena espreitar o povoado islâmico da Ponta do Castelo. Datado dos séculos XII-XIII, o povoado teria pelos menos 15 habitações, um terraço para secagem de peixe e três fornos de cozer pão. Seria usado apenas nas estações do ano de clima mais ameno. A localização em sítio tão exposto ao vento e humidade do mar sugere ainda uma função de observatório, talvez para a caça à baleia. As baleias foram abundantes no mar do Algarve, havendo registos de capturas pelo menos até ao séc. XIV.

Nas escavações arqueológicas deste povoado encontraram-se restos de cerâmica, anzóis, arpão, pesos de rede e restos de fauna marinha, incluindo um osso de baleia.

O planalto que leva o caminhante até Vila do Bispo é sulcado por profundos vales, escavados no xisto pelas linhas de água. Uma delas, o Barranco da Pena Furada, desagua numa pequena e encantadora praia, com o mesmo nome. Trata-se de um pequeno areal, numa enseada virada a noroeste, com interessantes formas esculpidas nas rochas pela erosão marinha.

A abundância de caça e de peixes e mariscos atraiu as populações humanas para esta faixa costeira desde a pré-história. A sul do Barrando da Pena Furada, o trilho passa por uma estação arqueológica, atualmente sem vestígios à superfície, mas onde foram encontrados artefactos de pedra pertencentes ao paleolítico. Corresponderiam a acampamentos temporários, ocupados nas estações de clima mais ameno. Durante a Primavera, sinta os odores, contemple o festim dos insectos polinizadores e esteja atento a algumas plantas raras e endémicas desta costa: Biscutella vicentina, Diplotaxis vicentina, Hyacinthoides vicentina, Herniaria algarvica, Cistus palhinhae, Teucrium vicentinum, Thymus camphoratus ou Linaria algarviana.

Nos barrancos é comum escutar o rouxinol-comum e o rouxinol-bravo. Nas falésias nidificam, entre outras aves, a cegonha-branca, a gralha-de-nuca-cinzenta, o pombo-das-rochas e o rabirruivo-preto. No planalto observam-se perdizes, peneireiros, pintarroxos e picanços.

Onde começar

Carrapateira
No Largo do Comércio.

Vila do Bispo
Praça da República, perto da Igreja Matriz.

Ficha Técnica

GRAU DE DIFICULDADE: 4

EXTENSÃO: 16 KM
DURAÇÃO APROXIMADA: 6.5 Horas

SUBIDA ACUMULADA: 500 M
DESCIDA ACUMULADA: 420 M

ALTITUDE MÁXIMA: 140 M
ALTITUDE MÍNIMA: 0 M

ÉPOCA ACONSELHADA: SETEMBRO A JUNHO

Regras e Recomendações

A CIRCULAÇÃO DE VIATURAS MOTORIZADAS COLOCA OS CAMINHANTES EM RISCO.

EVITE FAZER O CAMINHO HISTÓRICO DE MOTO OU JIPE, ESTUDE ALTERNATIVAS

NÃO FAÇA FOGO.

VÁRIAS QUINTAS E REBANHOS SÃO PROTEGIDOS POR CÃES, CIRCULE COM PRECAUÇÃO.

CUIDADO COM O GADO. EMBORA MANSO, NÃO GOSTA DA APROXIMAÇÃO DE ESTRANHOS ÀS SUAS CRIAS.

OS CAMINHOS ATRAVESSAM PROPRIEDADES PRIVADAS, RESPEITE-AS E FECHE SEMPRE PORTÕES E CANCELAS.

FRACO APOIO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS AO LONGO DA ETAPA. LEVE SEMPRE ÁGUA E MANTIMENTOS.

EM ALGUMAS SITUAÇÕES TERÁ QUE ATRAVESSAR ESTRADAS ASFALTADAS, TENHA ATENÇÃO.

ENCONTRARÁ VÁRIOS LOCAIS IDEAIS PARA UM PIQUENIQUE, CARREGUE SEMPRE O LIXO CONSIGO.

SEJA AFÁVEL COM OS LOCAIS, APRESENTE O SEU PROPÓSITO E APROVEITE PARA PARTILHAR EXPERIÊNCIAS.

Dicas

Avisos Importantes

Tenha atenção às condições do mar na Praia do Amado e da Murração. No caso de não se poder atravessar a Praia da Murração, tome o Percurso Circular pelo interior.

Esta etapa cruza-se com outros percursos. Tenha atenção à sinalética.

Comece a escrever e carregue em Enter para procurar

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
X