Da Bordeira até ao Mar

Etapa do Percurso Circular

6 / 13.5 Km

Este Percurso Circular tem uma zona de dunas, junto ao mar, e uma zona de colinas, mais interior. Nesta última, o caminho segue entre a vegetação adaptada à secura (florestas das encostas) e as comunidades adaptadas ao encharcamento sazonal (zonas húmidas dos leitos-de-cheia da ribeira). Estes terrenos são denominados várzeas e por vezes são usadas para agricultura ou pastoreio, já que o solo é muito fértil. Ao longo da várzea avista-se uma linha de árvores ou arbustos altos – trata-se da galeria ripícola, uma dupla faixa de vegetação ribeirinha que acompanha as duas margens da linha de água.

A área mais litoral do percurso segue pelas areias que cobrem o topo da falésia. A biodiversidade da vegetação é espantosa. Sinta o aroma delicado da perpétua-das-areias, da murta, do zimbro, da aroeira ou do rosmaninho. Aprecie o azul forte das flores da erva-das-sete-sangrias e do morrião-da-praia ou o amarelo intenso das flores da joina-das-areias e dos tojos. Os animais que habitam estas dunas sobre as falésias são muito discretos. Contudo, há sinais dos carnívoros, que deixam os seus dejectos sobre os arbustos, como forma de marcar território. Os coelhos fazem o mesmo, fazendo pequenas escavadelas na areia. Os insectos são os mais fáceis de ver, inebriando-se de pólen nas flores que todo o ano marcam presença nestas magníficas dunas. As aves denunciam-se pelo canto e pegadas na areia do caminho. Especialmente importante para a avifauna é o pinhal do Bordalete e da Maroteira. São mais de 40 hectares de um pinhal de pinheiro manso de elevado valor estético e ecológico. Plantado para exploração da pinha e da madeira (usada essencialmente para construção de barcos), é actualmente propriedade privada.

Onde começar

Bordeira
No Largo da Bordeira (no início da Rua do Comércio), em direcção à estrada N268

Ficha Técnica

GRAU DE DIFICULDADE: 1 / 3

EXTENSÃO: 6 / 13.5 KM
DURAÇÃO APROXIMADA: 2 / 4,5 Horas

SUBIDA ACUMULADA: M
DESCIDA ACUMULADA: 100 / 300 M

ALTITUDE MÁXIMA: 120 M
ALTITUDE MÍNIMA: 10 M

ÉPOCA ACONSELHADA: Setembro a Junho

Regras e Recomendações

A CIRCULAÇÃO DE VIATURAS MOTORIZADAS COLOCA OS CAMINHANTES EM RISCO.

EVITE FAZER O CAMINHO HISTÓRICO DE MOTO OU JIPE, ESTUDE ALTERNATIVAS

NÃO FAÇA FOGO.

VÁRIAS QUINTAS E REBANHOS SÃO PROTEGIDOS POR CÃES, CIRCULE COM PRECAUÇÃO.

CUIDADO COM O GADO. EMBORA MANSO, NÃO GOSTA DA APROXIMAÇÃO DE ESTRANHOS ÀS SUAS CRIAS.

OS CAMINHOS ATRAVESSAM PROPRIEDADES PRIVADAS, RESPEITE-AS E FECHE SEMPRE PORTÕES E CANCELAS.

FRACO APOIO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS AO LONGO DA ETAPA. LEVE SEMPRE ÁGUA E MANTIMENTOS.

EM ALGUMAS SITUAÇÕES TERÁ QUE ATRAVESSAR ESTRADAS ASFALTADAS, TENHA ATENÇÃO.

ENCONTRARÁ VÁRIOS LOCAIS IDEAIS PARA UM PIQUENIQUE, CARREGUE SEMPRE O LIXO CONSIGO.

SEJA AFÁVEL COM OS LOCAIS, APRESENTE O SEU PROPÓSITO E APROVEITE PARA PARTILHAR EXPERIÊNCIAS.

Dicas

Abastecimento durante o percurso
Apenas na aldeia da Bordeira.

Avisos Importantes

Encurte este percurso
A distância total é de 13,5 km mas caso prefira, pode optar por uma volta mais curta de apenas 6 km, seguindo as indicações na zona do Bordalete ao km 3.5.

Grau de dificuldade
Embora não tenha subidas, o percurso tem muita areia junto à costa e no Pinhal do Bordalete.

Existem outros percursos na zona. Tome atenção à sinalética.

Comece a escrever e carregue em Enter para procurar

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!