Cobrilha de ferro ~ Touro Azul

Explore the Feeling

Programa cultural

CACO – ASSOCIAÇÃO DE ARTESÃOS DO CONCELHO DE ODEMIRA

Uma viagem no tempo a duas aldeias: Amoreiras Gare e São Martinho das Amoreiras. Estão unidas pelo nome “amoreiras”, termo antigo árabe que significava água ou ribeira. Uma oportunidade para descobrir a história destas localidades e os labores das pessoas daqui. Para-se numa necrópole, um exemplo funerário da Idade do Ferro muito perto de São Martinho, aldeia conhecida como a antiga Sintra do Alentejo. O almoço será servido no coração da aldeia num sítio único, num restaurante com caráter único.

Destaques

Encontro com o grupo coral feminino de Amoreiras Gare

Ida a uma fábrica de cortiça

Visita a uma adega

Lanche matinal de produtos tradicionais (na adega)

Visita à Necrópole do Pardieiro (Estação Arqueológica da Idade do Ferro)

Passeio no centro histórico da aldeia de São Martinho das Amoreiras

Almoço em restaurante local

Resumo

  • i034Região:
  • S.Martinho das Amoreiras

  • i033Línguas:
  • Português
    Inglês
    Alemão
    Francês

  • i046 Preços:
  • a partir de 93€ por pessoa

  • i066 O que está incluído:
  • Transporte
    Guia

  • i027 Nível de dificuldade (exigência física):
  • sem exercício físico associado

  • i026DURAÇÃO:
  • < 1/ dia

  • i030 DIMENSÃO DO GRUPO:
  • max. 16 pessoas


  • i049PET FRIENDLY:
  • Não

  • i009 BIKE FRIENDLY:
  • Não

Descrição

Logo de manhã, o passeio começa de comboio, partindo do lugar Está Bem para chegar à estação de caminho de ferro de Amoreiras Gare. Aí, as mulheres da aldeia recebem o grupo com as suas canções da terra e levam-no a conhecer a tradição rural desta região: a cortiça e os sinais de fábrica, o azeite, o vinho e os doces que ainda algumas delas confeccionam e oferecem. Segue-se um passeio pelo casario mais antigo que reunia a casa, o lagar, a moagem, a carpintaria, o estábulo e a loja que tudo vendia. Na adega ao lado prova-se o vinho ali produzido.
Segue-se de autocarro em direcção a São Martinho das Amoreiras para se conhecer a Necrópole do Pardieiro.
Depois do almoço haverá um passeio pela aldeia, com a sua igreja ao  centro,  que será visitada pela mão da D. Laura, a sua guardiã. Ela contará a história dos tempos áureos desta aldeia que veio a desertificar-se ao longo dos tempos devido à industrialização e às novas visões sobre o desenvolvimento económico que surgiram nos anos 50 e 60 em pleno fascismo português. Ela fala também da padaria, que ainda hoje, faz “o melhor pão caseiro do mundo”. A viola campaniça far-se-á ouvir.

Contacte-nos

  • Formato da data:DD barra MM barra AAAA
  • Por favor, introduza um número de 1 a 50.
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.

Comece a escrever e carregue em Enter para procurar

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
touro-azul-ajudada